quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Autoestima

Esta semana topei com um link da Dove sobre self-esteem [este aqui: Selfie]. Todas nós já vimos algum vídeo ou alguma propaganda Dove com esse tema e, mesmo que no fundo haja um lance publicitário, os vídeos são realmente fantásticos.
Em português só há dois gravados e um em inglês legendado. Mas os ingleses sem tradução são falados de forma pausada, é fácil acompanhar se você tiver alguma experiência nessa língua.

Posso lhe pedir 5 minutos para ver três vídeos que vão fazer seu dia ficar muito, muito mais alegre?


Câmera tímida é meu preferido, olha que graça! É para pensar muito, acho que não vai existir uma mulher que veja esse vídeo sem se identificar imediatamente com essa neurose de achar que nunca está bem, que está feia, que não quer aparecer na foto.

Neste link a difícil pergunta "o que você mais gosta no seu corpo?". E o resultado lindo que existe quando é outra pessoa que faz a avaliação.

O legendado é este, que mostra o resultado de um desenho falado a partir da descrição de uma mulher sobre si mesma e o desenho dessa mesma mulher sendo descrita por terceiros.


Nos achávamos tão lindas quando crianças, porque quando adultas temos que sofrer tanto com o próprio julgamento? E, além disso, um julgamento mordaz e viciado?


Acho que aos 50' não deveríamos mais ter essa preocupação, afinal, já deu para ver que o mundo das revistas e das modelos é algo irreal para quem passou dos 20 e, ainda mais, para quem formou uma família.

Se eu estou feliz com minha aparência? Olha, há dias que sim, há momentos que não. A gente sempre poderia estar 5 kg mais magra, não é? rsrs
Sério, sabe o que acho? Que quem nos ama não vê os pequenos defeitos, não fica olhando rugas ou qualquer outra imperfeição. Quem nos ama vê o sorriso, e é nessa alegria que deveríamos focar todos os dias.
Beijos, queridas entas fantásticas!

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Campos & compras

Estive em Campos do Jordão semana passada, com meus filhos. Assim que chegamos saímos para almoçar, passeamos pelas ruas, vimos as lojas de Capivari e voltamos ao hotel com a impressão que não haveríamos de conseguir ficar mais de um dia nessa cidade tão pequenininha.
Lego engano. Isso era somente o ritmo de SP nos impulsionando a fazer mais e mais no menor tempo possível. Em Campos o tempo passa preguiçoso, não há rotina, não há metas, é tudo descanso. Muito bom!

Estas fotos são do Horto Florestal: fizemos uma caminhada enorme até uma cachoeira, lindo demais. No retorno, porém, nos pegou uma tempestade tropical daquelas, chegamos ao abrigo completamente molhados -- e felizes, olha só que coisa diferente!

 Paz...

De volta à cidade encontramos uma loja de decorações que sempre esteve lá, mas que eu nunca tinha olhado com cuidado. Gente, quanta coisa linda e bem escolhida!!! Se forem para Campos do Jordão não deixem de passar na Malú Decorações, loja grande de esquina no centrinho de Capivari.

Vi uma noite este abajur estilo Tiffany iluminado na vitrine e fiquei numa ansiedade louca para o dia amanhecer e eu poder vê-lo de perto. Não teve jeito, foi amor à primeira vista! Agora ele está em minha escrivaninha:



E como minha paixão são borboletas e libélulas, comprei também essa peça linda de louça com duas libélulas em cobre.

Agora que meu escritório está mais feminino e mais do meu gosto, preciso atacar os livros que estão enfileirados para leitura:


 Trinta volumes aguardando sua vez, alguns já começados. Eu amo ler, e como não resisto a uma boa indicação, vou acumulando a leitura. Vou dar conta, vocês vão ver (será que vcs aguentam tanta resenha?).

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Sleep better

Adorei este gráfico da Signature MD sobre o sono. As dicas são simples, diretas e acredito que funcionam.


Não é legal? Veja o original aqui.

sábado, 25 de janeiro de 2014

São Paulo - 460 anos

Sábado, dia 25 de janeiro: aniversário da cidade de São Paulo.

SP é frenética, agitada, barulho de carro e movimento durante todo o dia e toda a noite também. Alguns a odeiam. Eu a amo! Aqui temos tudo do melhor em todas as áreas: universidades, teatros, cinemas, médicos de todas as especialidades, hospitais equipadíssimos, centros de compras de primeiro mundo, um mercadão que é centro gourmet, e por aí vai.

Não temos paisagens abertas, nada de montanhas ou mar à vista. É mesmo uma selva de concreto e, por incrível que pareça, tem sua beleza própria, mesmo assim.


Minha SP é restrita a alguns bairros: Ibirapuera, V.Mariana, Jardins. Sei que existe um inteiro mundo vivendo nos demais bairros e as notícias sobre a periferia têm mostrado que é um universo completamente diverso do que conheço. Mas o que conheço é o que amo, não é assim mesmo que tem que ser? 

É claro que há perigo nos rondando nas ruas, o paulistano está sempre preocupado com sua segurança. No entanto, tenho visto mais e mais cidades com o mesmo problema… 

Talvez eu ainda mude de ideia, mas hoje eu escolho morar aqui! Feliz aniversário, SP querida!

sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

Rolezinho

Esse assunto está me incomodando há dias, particularmente após ter lido um artigo de jornal que dizia que o movimento só havia virado polêmica por seus participantes serem "pretos e pobres" (sic).
Com essa premissa a autora tecia toda uma teoria do quanto os shoppings são áreas reservadas às classes altas e que a "conquista" desse espaço pelos "pretos e pobres" (novamente - ela citou dessa forma umas 10 vezes) era uma coisa corajosa e que a sociedade estava barrando essa conquista por estar desconfortável em dividir espaço com os "pretos e pobres".

Lindo como discurso de direitos humanos, completamente fora da realidade quando olhado de perto.

shopping do RS
Não importa qual grupo social seja, qual lugar seja: se você vê centenas de pessoas em bloco entrando em um lugar, a reação imediata é fugir pois o comportamento de humanos em grupos extremamente numerosos habitualmente é reconhecido como um sinal de perigo.

Pense em outra situação: você está na praia e vê jovens "brancos e ricos" (para fazer a oposição à ilustração da jornalista) às centenas, talvez um milhar, se aproximando do lugar onde está. Quem não recolheria suas coisas e fugiria o mais rápido possível? Multidões são perigosas, há um instinto que nos alerta sobre isso.

Portanto, não concordo com a visão de que a proibição de "Rolezaum no Shoppim" (foi assim que vi escrito numa convocação) deve-se à vontade de se excluir acesso à uma fração da sociedade a esse espaço - o que há é um receio legítimo de que uma quantidade enorme de pessoas em um lugar fechado acabe em problema.

Se a pessoa que criou o 'rolezaum' tivesse simplesmente ido com sua namorada a qualquer shopping de SP, jamais teria sido barrado na porta. Mas acompanhado de centenas, não há como serem admitidos como bons visitantes.

É uma questão de lógica, não de racismo.

sábado, 11 de janeiro de 2014

Filme: A vida secreta de Walter Mitty

Fiquei anos sem ir ao cinema porque meu marido não gosta das filas, da espera, das pipocas, rsrs.
Então, neste ano subitamente criei um impulso de ir sozinha, já que eu gosto tanto da telona. Adoro estar na sala escura, com uma tela gigantesca na minha frente, totalmente esquecida do mundo real e dentro de uma história diferente.

Esta semana fui novamente ao cinema do JK. Outra vez sozinha e no meio da tarde. É um programa muito tranquilo pois poucas pessoas escolhem esse horário, a sala fica bem vazia, silenciosa.


Como nunca gostei de ler resenhas detalhadas de filmes em blogs de moda e afins, não vou enveredar por esse caminho. Vou manter a tag só informando se, na minha opinião, vale a pena sair de casa para ver o filme em questão, ou não.

Eu gostei do filme. É na linha do nonsense. Você precisa desligar o cérebro para não se perguntar "com que dinheiro ele comprou a passagem para viajar?", "onde conseguiu visto para entrar nos países?", "da onde vem essa forma física invejável?", etc. Porém, a história é cativante e a fotografia é linda.

Minha opinião: recomendo.

sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

Simplificar

Consumo é uma coisa que me intriga. Ao mesmo tempo em que finalmente posso ter tudo que quiser, as ideias de minimalismo, vida simples, desapego e destralhamento estão sendo constantes no meu pensamento.


A última limpeza de armário me mostrou que só fiquei com peças que eu realmente gosto. Na prática significa que é só abrir o guardar-roupa e apanhar qualquer parte de cima com qualquer parte de baixo, sapato e bolsa, e sairei com itens que eu amo.

Isso implica, também, que não preciso de novas compras!
O racional está 100% entendendo isso, mas o emocional continua buscando coisas que não preciso. A última da semana foi uma bolsa Miu Miu azul. É linda, mas eu não precisava.

Ainda tenho mais coisas do que seria ideal.
Depois de organizar o guarda-roupa estou pensando nas prateleiras de livros: o que não tem apego sentimental muito profundo (como a coleção Sherlock Holmes) e os que não me vejo relendo, deverão ser doados a uma instituição de caridade ou biblioteca.
E por aí em diante.

O difícil é não cair na tentação de comprar coisas novas somente pela novidade, pela beleza da peça, simplesmente por terem feito meus olhos brilharem.

É certo que de livre e espontânea vontade nunca serei uma minimalista espartana. Não sou capaz de trocar um produto caro bom por um barato de menor qualidade. E alguns blogs que tratam de não-consumo focam muito nisso.
O pior exemplo li esta semana: a pessoa trocou a compra de um escova de dentes de R$8 por uma de R$3 que, segundo ela, "faz o mesmo serviço". Não, não é verdade. Uma escova de dentes boa e que não agride o esmalte e as gengivas tem que ser macia, de muitas cerdas. A escova barata é dura e inadequada.

#Dica: a melhor escova que existe é a Curaprox, com 5460 microcerdas ultra macias
Custa cerca de R$16 e vale cada centavo…


Ou seja, acho que nunca serei um exemplo de simplicidade, porém pretendo me sair bem melhor do que nos últimos anos no quesito compras fúteis.

Abaixo links de vários blogs interessantes sobre o tema:
Minimalizo
Buscando uma visa não-consumista
Uma vida mais simples
Vida minimalista


Observação
Várias coisas novas estão me interessando nos últimos tempos. Excelente! Significa que ter 50 anos não é estagnar, há espaço para crescer, sempre. Bom, né?

quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

Perder tempo

Com o quê você perde tempo? Tem algo que você faça que não leva a nada, que 'mata' o seu dia?

Descobri que eu perco tempo vendo séries no computador. Muito tempo mesmo. 
Não vejo TV, principalmente porque não suporto os infinitos intervalos, nem o pensamento que a série de 42 minutos corridos lhe toma 60 minutos quando passada na TV.
Com isso comecei a baixar as séries e assisti-las no micro. E apesar da qualidade da imagem não ser grande coisa, você assiste na hora que quer e somente o que gosta.

Costumo visitar este Site

Aí começou o problema: com a oferta de tantos títulos acabei fã de vários seriados e muitas vezes fazia maratonas de até 4 ou 5 deles seguidos, quase diariamente, para acompanhar os lançamentos semanais de episódios.
Neste final de ano, com as férias dos atores e falta de lançamentos, troquei o tempo no micro por tempo para leitura. Já deu para perceber pelo blog o quanto tenho lido ultimamente, não é?

Esta semana os seriados voltam com tudo. Gosto das séries policiais, de médicos e de advogados. As comédias não me atraem - à exceção da The Big Band Theory e da HIMYM - assim como os super heróis.
Vai ser bem difícil resistir às favoritas. No entanto, pretendo diminuir o tempo em frente à telinha, escolhendo melhor quais realmente valem a pena ver.

Identificar o problema é o primeiro passo para corrigi-lo. Quem sabe mudo de hábito e passo a aproveitar melhor meu tempo em 2014?
E você? Também tem algum vício que come seu tempo??

quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

Folha de ponto da empregada doméstica

Com a nova regulamentação da atividade de Doméstica foi instituída a Folha de Ponto, a ser preenchida diariamente pela própria funcionária e vistada pela empregadora.

O período de serviço deve ser de 8 horas/dia de segunda à sexta-feira e de 4 horas aos sábados, completando 44 horas semanais -- horário igual ao de todos os trabalhadores CLT.


A ideia é boa e defende principalmente as domésticas que moram no emprego. Desta forma, qualquer trabalho fora das 8 horas regulamentares/dia será tratado como hora extra, com os devidos encargos.

Para quem tem diarista, ou ajudante que vai e volta todo dia, a medida acaba sendo conveniente para a patroa. Digo isso porque minha funcionária, apesar do combinado em contrato ser de 8 horas/dia, chega tarde e sai cedo sempre que pode, sem que isso até hoje acarretasse qualquer punição em termos de salário. Com a folha de ponto esse comportamento abusado provavelmente será reduzido.


Procurei modelos de Folha de Ponto e todos que encontrei têm colunas para marcação do horário de início e término de almoço, como o abaixo:

deste site aqui.

Porém, a realidade da rotina doméstica é muito diferente da indústria ou do comércio. Não há um sinal para marcar início e final de almoço, que na casa normalmente ocorre em horários variados, conforme a disposição e disponibilidade da funcionária. 

Não conseguindo usar os modelos semelhantes ao acima criei um mais simples, pensando em 8 horas corridas sem descontar o tempo parado para almoço. Segue exemplo: (*)

Informação útil
Há uma ferramenta online de cálculo de horas e minutos que torna fácil o fechamento do mês com o levantamento real das horas trabalhadas: use o Time Calculator.

Procedimento
Ao término do mês são verificadas as assinaturas da funcionária na folha já preenchida por ela mesma. Em seguida é feita a verificação de horas trabalhadas. Ao realizar o pagamento no quinto dia útil do mês já estarão disponíveis e claros os acréscimos ou descontos de horas a serem aplicados.

Resultado
Pelo menos na minha casa esse sistema melhorou muito a assiduidade e pontualidade da funcionária, pois ficam gritantes os dias em que há atrasos ou saídas muito antecipadas.


(*) Atualização de set/14:
Segundo o Ministério do Trabalho e Emprego, "o descanso intrajornada visa à proteção da saúde do trabalhador, não podendo ser objeto de livre disposição, ou seja, mesmo que o trabalhador deseje suprimir o descanso, é dever do empregador concedê-lo."

Ou seja: usar uma planilha mais simples, sem marcação de hora de almoço se tornou inviável, por isso deletei-a.

Problema comum:
A empregada toma duas conduções para chegar, passando até 2 horas em trânsito. Some isso a 8 horas de trabalho mais 1 hora de almoço e 2 horas de retorno: serão 13 horas fora de sua própria casa.
Sei que essa é a realidade dos demais trabalhadores. No entanto, trabalhando em casa de família a relação empregado-patrão é muito próxima e vivenciar em primeira mão as dificuldades da funcionária faz com que desejemos auxiliar no que for possível.
Era isso que propunha a planilha deletada: computar o tempo parado de almoço como "hora trabalhada", visto que normalmente um almoço dura somente cerca de meia-hora. Agora, devido à regulamentação, esse tempo passou a ser obrigatoriamente de no mínimo uma hora parada e é obrigatória sua marcação na folha de ponto, sob risco judicial.

Particularmente, vou optar por contratar em sistema de jornada de trabalho de 6 horas/dia para melhorar a vida pessoal da funcionária, esperando em contrapartida que os horários acordados sejam regularmente cumpridos.
Neste caso (período que não exceda 6 horas), o intervalo obrigatório de descanso passa a ser de 15 minutos.
E é importante destacar a jornada diária de seis horas na parte de Anotações Gerais da Carteira de Trabalho do trabalhador doméstico.

terça-feira, 7 de janeiro de 2014

Livro: Álbum de casamento

Acho que não consigo resistir a uma capa bonita. Quando vi esta na Livraria da Vila, imediatamente li as abas e resolvi trazer o livro comigo - mesmo sabendo que é uma autora de best sellers e que dificilmente eu aprovaria o conteúdo integralmente.


Valeu a pena: me distraí muito com o livro e o li praticamente todo em um só dia, apesar das 279 páginas.

Como o subtítulo diz, é o primeiro tomo de uma coleção batizada de Quarteto de Noivas.
Este conta a história de Mackensie, uma fotógrafa de eventos que tem, com três amigas de infância, uma empresa que prepara e realiza casamentos. Cada uma cuida de uma parte do negócio e, além da 'Mac', há Laurel a doceira, Emma a florista e Parker a administradora geral da Votos.

Deixando de lado alguns personagens por demais caricatos (a mãe sem noção, o namorado perfeito, etc.), o livro é bem engraçado e as histórias que se desenrolam na Votos são as melhores. Dá bem o tom do climão que existe em alguns casamentos em que a noiva fica histérica com os preparativos, ou a mãe da noiva é controladora, ou parentes dão vexame, etc. 

Acho que é bem capaz que eu compre o segundo volume só para acompanhar o que ocorre na empresa de casamentos.   ;)


"Mas algum livro, por pior que ele seja, é melhor do que livro nenhum."
Frase de Danilo Venticinque. Siga-o na Época e no Twitter, ele é excepcional.

segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

Livro: O Chamado do Cuco

Esse romance policial foi escrito sob pseudônimo pela autora da série Harry Porter, a escritora J.K. Rowling. Apostei no livro pelo fato de gostar muito da série do bruxinho, onde ela teceu histórias complexas e bem engendradas -- características necessárias a um bom texto policial.


São 447 páginas e a ambientação é bem interessante: um detetive praticamente falido é contratado para investigar a morte de uma top model. Há muitas cenas da área da moda, pois há um costureiro famoso, outras modelos, um produtor de cinema, etc.

Conclusão
É um livro que prende a atenção e cujo desfecho final não antevi, foi uma surpresa. Ponto para a autora!
Como ela caracterizou muito bem os personagens do detetive e de sua assistente, fica a aposta que pretende continuar com eles em futuros textos.

Você gosta de romance policial? Dos de Agatha Christie, por exemplo? Então vai gostar deste livro. É da mesma fórmula: algo descompromissado que você lê empolgado, se distrai, e pode deletar do cérebro em seguida.  ;)

domingo, 5 de janeiro de 2014

Preços produtos importados

Passando hoje em frente a uma loja Tory Burch, lembrei de um slipper com bordado de besouro que havia achado lindo quando vi na internet.
Entrei, experimentei, e ao vivo ele é "aceso" demais, brilha demais e não é realmente usável, apesar do bug ser mesmo uma graça.

Ao procurar uma foto para comparar a realidade com a internet, acabei no site da Farfetch e na sua oferta do produto:


Gente, na loja física o slipper estava por algo como R$850 (não lembro exato, infelizmente). E, ainda por cima, agora em janeiro está com 50% de desconto, ou seja, algo entre 400 e 500 Reais.

Olhem só a diferença com o preço praticado pelo e-commerce! Provavelmente todas as taxas comuns de importação estão aplicadas ao item, diferente da loja física que deve ter alguma espécie de isenção ou melhores condições, e pratica um custo cheio que é praticamente a metade da e-loja.

Moral da história
Quando houver no Brasil lojas próprias de marcas estrangeiras, NÃO comprem pela internet. Prefiram as lojas físicas pois os custos, comparativamente, serão melhores.
Além disso, as fotos nos enganam muito…



P.S. de 7jan14:
Encontrei o slipper que eu havia gostado originalmente: é azul escuro, não metálico, e da Bloomingdale's


E em seguida simulei a compra do item, para saber o preço final com a importação para o Brasil:


Total: USD 356,96 ou seja, aproximadamente R$850 (cotação do dólar de hoje: R$2,3785).
Se não surgir mais nenhuma taxa, o custo da liquidação da loja norte-americana acabou ficando o mesmo custo do preço cheio da loja brasileira da marca.
Neste caso a diferença não é gritante como no anterior, porém, continua sendo verdade ser mais vantajoso comprar na loja do estilista, aqui no Brasil, do que importar o produto. 

sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

Filme: Questão de Tempo

Hoje fui ao cinema às 16hs, meio da tarde, sozinha. Delícia de programa! Assisti Questão de Tempo no cinema do JK Iguatemi. Excelente cinema, excelente filme. Saí no final com vontade de voltar e ver tudo de novo, de tão lindo, poético, sensível.


Quer ler uma boa resenha? Veja esta aqui, do site Cine Click. Depois do que ele falou, não tem porquê eu querer fazer outra, né?
Gente, de verdade: não deixem de ir. É ÓTIMO.

quarta-feira, 1 de janeiro de 2014

Um 2014 de bagunças felizes

Passei um Natal e Ano Novo excelentes, e vocês? Estar com quem se ama, ter a família próxima da gente nas festas, é tudo de bom!

Neste dia 01 resolvi destacar um "desejo" de ano novo que é a antítese do que sempre ouvimos e, por isso mesmo, me pareceu perfeito e digno de ser repetido:

"Espero que 2014 traga a renovação, que bagunce nossas vidas de forma formidável e que todos possam desfrutar de menos ansiedade em ter tudo sob controle. Feliz ano-novo. Um ano de bagunças felizes."
Fonte: blog Salada Mista


Vamos aproveitar?