quinta-feira, 26 de junho de 2014

15 itens

A história do consultor que se desprendeu de suas posses e passou a viver viajando apenas com uma mochila nos ombros contendo +14 peças não é novidade. Li em 2012 e desde então ela não me saiu mais da cabeça.

"Andrew Hyde é alguém que se tornou popular por ter esse estilo de vida desapegado de todos os seus bens materiais. O norte-americano, do estado do Colorado, vendeu sua casa em maio de 2010, e desde então possui apenas 15 coisas (sem contar meias e cuecas).

Hyde não se considera um sem-teto, pobre ou desempregado. Na verdade, o rapaz é um magnata do mercado da alta tecnologia, ele trabalha como consultor e mentor de pequenas empresas, é fundador da startup Weekend e organizador da conferência TEDxBoulder.

Como ele viaja muito, Hyde decidiu resumir todos os seus pertences em 15 itens onde os guarda em uma mochila laranja que leva para qualquer lugar. Desde então, já visitou 32 países."
Texto completo neste link
Sua lista:
1. Mochila Arc’teryx Miura
2. Camiseta NAU
3. Camisa NAU
4. Capa de chuva da Mammut
5. Camiseta da Arc’teryx
6. Shorts de corrida da Patagonia
7. Toalha de secagem rápida
8. Jaqueta de lã NAU
9. Kit de higiene
10. Óculos de sol
11. Carteira
12. Macbook Air
13. iPhone 3GS
14. Calça jeans
15. Tênis de corrida

Hyde diz que a cada item que compra, se desfaz de outro. "É fácil viver o minimalismo. Que camisa usar hoje? A que eu não usei ontem", brinca. "Uma vez acostumado com essa simplicidade, a normalidade complexa dos outros é que se torna curiosa."

Atualmente sua lista é um pouco maior que a original com 15 itens, pois ele adicionou três camisas xadrez, um chapéu de cowboy, um terno, camisa, gravata e sapatos “decentes” para poder palestrar. :)
 



Minimalismo X Consumismo 
(o estritamente necessário X a paixão por comprar)

Eu entendo sua noção de praticidade. E eu o invejo muitas vezes.
Talvez se eu fosse nômade e nunca parasse mais de uma semana em cada lugar, talvez eu conseguisse ter somente uma mala pequena com poucos itens.
Só que estabelecida em uma casa mobiliada, com armários de livros, roupas de cama, faqueiro, conjunto de copos, etc., como ter somente 15 itens com este estilo de vida?
Ele tem razão. Essa nossa "normalidade complexa" é, realmente, muito curiosa!!!


Gosto de rever esse artigo para me desapegar um pouco e diminuir a tendência consumista que me assola. Espero que ele também inspire você. ;)

segunda-feira, 23 de junho de 2014

E-commerce faz promoções nos dias de jogos do Brasil

As lojas online têm promovido ofertas relâmpago de alguns produtos ou algumas linhas exclusivamente nos dias em que o Brasil joga na Copa.
Hoje não resisti ao Gallerist, com redução em acessórios (bijoux) a preço máximo de R$199.


Comprei um anel triplo de folhas da Dolores Iguacel que já havia namorado antes (de R$109 por R$76 = desconto de 30%) e um colar baphônico Vania Nielsen, muito Lanvin style (de R$573 por R$199 = desconto de 65%!!!).


Essas ofertas são meio surpresa, não se sabe com antecedência qual será a categoria que vai entrar em promoção. No entanto, temos 24 horas para aproveitar os preços mais camaradas e, se for algo que você já estava de olho, vale a pena conferir os e-commerces!

Atualização:
Fiz o pedido ontem às 18hs e hoje de manhã, 9h00, ele foi entregue. Rapidez impressionante!!!
Próximas datas das ofertas relâmpago: 08/jul e 13/jul. Fique de olho!

sexta-feira, 20 de junho de 2014

Gucci Museo

O Shopping JK Iguatemi de SP recebeu o primeiro museu temporário da Gucci, que tem seu acervo permanente em Florença, Itália.
A mostra está no seu final, irá somente até dia 22 próximo, e vale a corrida para visitá-la.


Com o acompanhamento de uma guia, a história da Gucci é contada através de suas peças ícones, em exibição em vitrines e filmes que tomam paredes e corredores inteiros.

A bolsa Bamboo, por exemplo, conta com peças de 1950-60 em perfeito estado. Atrás dos displays, um filme mostrando como o bambu é trabalhado em fogo até que atinja a curvatura perfeita para a alça. A técnica foi desenvolvida após a II Grande Guerra para contornar a escassez de matérias primas. O bambu curvado em semicírculo foi fixado como alça decorativa em uma bolsa de couro de porco com pedrarias, de design original, e se tornou sucesso absoluto.


Interessante apresentação de sua evolução ao gosto da consumidora atual: a bolsa ganhou espaço extra, alça tiracolo removível, tassels e animal print. Maravilhosa!!!

 Foto ByMiih

Uma galeria mostra outras bolsas famosas da marca, como a Jackie, a horsebit e outras com a típica faixa verde-vermelha-verde Gucci.



 Foto Ver+Design

E a exposição vai além de bolsas: há um display com lenços e vestidos da estampa Flora, criada especialmente para presentear a princesa de Mônaco, Grace Kelly, em 1966. A estampa original e suas variações são simplesmente encantadoras! Flores, bouquets, borboletas, muitas cores -- originalmente sobre fundo branco. Lindo!



Em seguida vemos ternos e vestidos feitos sob medida, muitos deles usados em tapetes vermelhos por atrizes, que são mostradas em painel atrás das peças originais.


O setor Viagem é muito interessante: a Gucci nasceu como uma oficina especializada na produção de artigos de alto nível para viagens. Malas, baús e acessórios criados nos anos 50, 60 e 70 e efetivamente usados pelos originais proprietários estão expostos e em perfeito estado. É impressionante ver como a qualidade suplantou o tempo.


Finalizando o passeio uma vitrine com o loafer com horsebit, criado em 1953, hoje disponível também na versão feminina.

 Foto Blogazine

Há inúmeros filmes a serem vistos e uma lojinha no final, com um livro que conta a história da marca e outras pequenas peças, como canecas e porta lápis. :)

#imperdível

quarta-feira, 18 de junho de 2014

Hello Tees

Já falei que adoro café e Starbucks, né? Sendo assim, quando vi esta camiseta não resisti a comprá-la:


Não é engraçada? E a carinha brava da sereia?!?

Entrei no site Hello Tees, fiz o pedido. Uns dias depois recebi um email dizendo que essa estampa havia acabado e que levaria 15 dias para a entrega. Concordei em esperar.

Bom, encurtando o caso, levou dois meses para entregarem. E nesse meio tempo, quando tentei reclamar a falta do pedido, descobri que existe não um, mas DOIS sites com o mesmo NOME e o mesmo SÍMBOLO Hello Tees, totalmente independentes entre si.



Diferença: um é hellotees.com.br e o outro é hellotees.net (foi neste que fiz o pedido).

Alguma coisa está muito errado com isso, não acham?
Mas o pior é que a camiseta chegou com o desenho muito desbotado, nada a ver com o tom forte do verde da foto original, e com áreas com tinta falhada.


Conclusão: não gostei, não vou usar, e não recomendo a compra nessa(s) loja(s).  :P

terça-feira, 17 de junho de 2014

Procurando moletom?

Blusa de moletom definitivamente não é a peça mais elegante de um guarda-roupa, mas está super na moda agora. A forma de usar, misturada a peças mais clássicas, tirou o ar de ginástica da blusa e a trouxe até para a festa (informal, claro).

Abaixo alguns que pesquisei nos e-commerces mais cotados.

Não há o tamanho especificado e é bem caro. Mas o vinho é uma cor ótima 
e os bordados permitem que seja usada à noite.

A manga deste é toda com aplicações de correntes. 
  
E-closet, sem medidas, mas na bonita cor vinho.
O mesmo moletom no Gallerist, com as medidas (dá para colar! rsrs). Só em cinza.
 
E deste J.Chermann a melhor opção é da Farfetch, que está em promoção. Também só em cinza.

 
 Agora alguns modelos mais diferentes:


 




Usaria tranquilamente qualquer um desses.
Acho que a melhor compra seria este último de mangas curtas. Tenho uma camiseta muito parecida com ele e vai com tudo, é muito curinga. E é também o que está com o melhor preço entre os e-commerces.

No entanto, depois dessa pesquisa a conclusão é que os valores estão surreais para uma peça tão esportiva e de material barato.
Meu conselho: se quiser um moletom, antes de optar por estes de marcas mais "chiques", vale olhar o que tem nas fast fashion como Renner, C&A, Riachuelo. Pode dar bom resultado, e gastando uma fração do que está sendo cobrado online.  ;)

segunda-feira, 16 de junho de 2014

Crise fashion

Eu tenho crises fashion. Tenho crises existenciais também. E várias crises referentes às listas de afazeres, a compromissos, a consultas médicas.

De todas, a mais fácil de encarar é, com certeza, a crise fashion. Isso porque, dirão muitos: o assunto é banal, é fútil, é uma bobagenzinha à toa, só pensa nisso quem não tem mais o que fazer.
Será que todo mundo que critica a moda esquece que toda manhã tem que fazer escolhas para se vestir? E que têm pessoas que são mais detalhistas, mais cuidadosas com esse pequeno ritual diário?


A crise
Eu estou me sentindo sem pé nesse assunto Moda.
É muita informação, muito chamamento, desejos novos a cada dia, até por conta do próprio blog, que me faz ler com mais atenção a cada notícia de tendência ou de novidade que aparece na mídia.
Às vezes fala mais alto a sensação de que você "PRECISA" de um item que acabou de ser lançado ao invés da realidade de ficar feliz com o que já tem.
Volta e meia eu julgo que isso ou aquilo não ficam bem para mim pois tenho 50 anos. [por que não fazer como a Ana Soares e sair como quiser, me aceitar sem ligar para regras?]

É que as imagens de desfiles ou blogs me guiam inconscientemente para achar algo bonito ou feio.
Olho vitrines e pessoas como se estivesse numa fashion week, admirando uma novidade aqui, recriminando uma escolha ali. Automaticamente decodificando a referência de tudo.


Nesta crise senti a necessidade de me posicionar melhor sobre a Moda.
O que eu quero com ela? Distração, na certa.
Mas o que eu quero comprando moda? Aceitação? Admiração? Sensação de pertencimento?

Acho que tudo isso junto. Depois de passar uma vida muito regrada, chegar aos 50' e poder ter qualquer item de moda que se queira é algo muito especial. É um prazer, um privilégio alcançado com dificuldade.
Pensava que estava aproveitando isso ao comprar tudo que queria.
E agora preciso internalizar que a moda está fabricando desejos para um consumo em série, porém que a satisfação com o item tem duração muito curta. Sim, estamos falando de obsolescência programada.


Por outro lado
Tenho uma irmã que não liga para nada disso. Ela é uma leonina feroz, que se basta por si própria e, por conta disso, não vê importância em ter uma roupa X ou uma bolsa Y. Ela sai de casa de vestido longo, esteja na moda ou não. Ou de terno clássico com uma echarpe jogada aos ombros. Ou de shorts e rasteira, se assim lhe aprouver. Não liga de ter 50 anos. Não liga se está na moda. Não liga para nada além do seu próprio gosto pessoal -- se ela está feliz vestida assim, é porque está tudo perfeito!


Conclusão
Nunca vou ser como ela ou a Ana, pois saber o que está acontecendo na moda é um hobby para mim, me preenche. Algo a que fui privada por muito tempo e agora não quero abdicar.
Mas dá para melhorar a ânsia de desejo, de "tem que ter" um item.

O ideal seria focar usar só o que já foi adquirido, mesmo que esse item desejo tenha sido trocado por outro rapidamente. Acho que só assim para eu parar e olhar cada peça que já tenho com mais carinho.
Não sei, vamos ver como vou me sair nisso... Afinal, em uma coisa temos que concordar: a gente aqui busca ser feliz antes de mais nada!

quarta-feira, 11 de junho de 2014

Stella McCartney

Nunca havia me atido ao trabalho da Stella McCartney, apesar de seu nome estar sempre nos tapetes vermelhos e outras festas afins.

Acessórios
A peça mais conhecida da grife é, sem dúvida, a bolsa Falabella -- enormemente copiada por aqui.
Há inúmeros acabamentos e cores. Apesar de não fazer meu gênero (gosto de bolsas com mais estrutura), achei esta de bouclet dourado muito linda:


Em pesquisas online li muitas resenhas negativas: que é muito mole, que tem aparência de "pobre" (rs), que é pesada, etc.
Moral da história: é sempre bom ler resenhas antes de se encantar e importar uma peça que não está à mão.

Roupas
A Harper's Bazaar divulgou esta semana as fotos da coleção Resort 2015 da marca (abaixo).

Assimetrias. 

Patchwork.

  
Alfaiataria.

Gente, não gosto de nada!
Nem mesmo a alfaiataria me conquistou. Ou muito esquisita ou boring. E o restante... estranhíssimo, para dizer o mínimo. E essas sandálias tratoradas de plataforma? #medo

Pode ser uma fase da estilista, pode ser que eu não entenda a moda que ela faz, mas uma coisa é certa: é sempre bom conhecer novos estilistas, mas está aí uma marca que não me conquistou.

domingo, 8 de junho de 2014

Veludo Tartan

Na última visita que fiz à Animale vi na arara uma micro saia de veludo tartan com estampa, cor e textura divinas! Fazia muito tempo que isso não acontecia, mas desejei ter 20 anos para poder usar essa roupa...


A proposta da loja era fazer um conjunto com a saia e uma regata do mesmo padrão e tecido. Também tinham uma calça comprida nessa estampa, mas já não estava tão linda quanto a peça acima.


Já pensou se essa saia tivesse uns centímetros a mais no comprimento, sendo usada com uma bela camisa de seda? 
Pena que as lojas não vêem que há muita enta roqueira e que amaria esse look...  :(

sexta-feira, 6 de junho de 2014

Listras Mixed

Meu app favorito é o twitter, sigo vários perfis de moda, tattoo e livros por ele. Ou seja, acabo vendo muita foto dos e-commerces, das novidades -- eu adoro. E daí para entrar no site e procurar o item que gostei é quase que obrigatório.
Foi por esse caminho que hoje achei esta imagem linda do site e-closet com duas camisetas listradas Mixed:


As combinações de cores e as listras em positivo/negativo enriqueceram a camiseta, não acham?

Aprendi a usar listras só agora, de tanto ver nos blogs e nos sites as danadas sendo apresentadas como item essencial. 
E lá fui eu olhar as blusas e os preços, com o dedo coçando para apertar a tecla "comprar".


Oh decepção!
Gente, sou só eu que tenho HORROR a listras tortas??? Porque essas duas acima não passariam nunca pelo meu controle de qualidade! Costuras sem seguir o desenho, tudo despencando, sem simetria. E olhem só, é Mixed, ou seja, uma marca CARA e metida a coisa boa.
Veredicto: nem de graça.

Viu como é capcioso comprar via internet? Olho vivo sempre!

quinta-feira, 5 de junho de 2014

Loja online com curadoria da Harper's Bazaar

A parceria da revista Harper's Bazaar com o e-commerce Dafiti já existe a alguns meses e só vem crescendo. Acho a ideia fantástica: você vê o produto na revista e pode comprá-lo online, facilmente.
Eu vivo recortando revistas, são minha principal fonte de informação. Saber que o item amado está a um click -- ou, pelo menos, a um click de saber quanto ele custa e onde tem -- para mim é um conceito campeão.

Encontrei itens muito lindos na seleção da Bazaar deste mês, achei ótima curadoria.


Na parte de vestuário estes foram meus Top 8:
Grafismos, animal prints bem fora da mesmice, um top totalmente conceitual (o bege, da Gloria Coelho), malhas ótimas para levantar o visual de inverno, uma saia com uma fenda lateral muito linda.

O problema aqui é que nem todas as peças têm as medidas informadas, a Dafiti peca muito nisso.
Algumas têm somente as medidas para o tamanho P. Se você for M, ainda dá para extrapolar e imaginar se vai servir ou não. Se você for G, pode esquecer: não dá para saber se o G será viável.

Ex.: a malha colorida da Carina Duek (última à direita). Comprei a G em outro site, com as medidas e tudo, e ficou pequena. A modelagem é minúscula! É linda, mas me veste mal. Só não doei ainda porque foi tão cara que está difícil de desapegar. rsrs

Top acessórios:

AMEI a bota com corrente da Ellus, pena que não uso esse saltão. O Nike de cano alto está um charme, assim como esse azul cobalto da Zeferino. Bolsa Glorinha Paranaguá e pulseira dourada Carmim. Tenho essa pulseira Camila Klein (bege, a segunda) e é realmente maravilhosa.

Tomara que outras revistas sigam esse caminho e nos ofereçam uma vitrine e-commerce para as peças que foram escolhidas à dedo para a edição impressa. Encurta a pesquisa e facilita a vida da fashionista. Porém, com o detalhe: medidas em todas peças e todos os tamanhos, por favor. Senão, só será possível fazer compras de acessórios.

terça-feira, 3 de junho de 2014

Diferentes formas de pensar os 50 anos

Engraçada essa questão dos "50 anos". Quando eu falo ou penso que tenho 50 anos me bate um peso, uma sensação de velhice, até mesmo uma angústia existencial.


Porém, quando estou interagindo com outros sem focar na idade, ter 50 não pesa nada, mudou muito pouco de quando tinha 30 ou 40 anos.

Exemplo 
Ontem jantei com meu filho e três de seus colegas universitários. Conviver com jovens é muito bom, principalmente se você tem o jogo de cintura para se enturmar, para entender o que eles estão dizendo e não entrar numas de "conselho". Talvez pelo meu filho e amigos serem todos de Engenharia Química e eu de Farmácia, as piadas internas são sempre compreendidas, eu efetivamente me divirto quando estou com eles. Naquele momento eu era tão jovem quanto eles, rindo das imprudências e das histórias das aulas.

Preciso lembrar mais disso e menos dos preconceitos quanto à idade. Eles engessam a gente e, sinceramente, definitivamente ainda não está na hora de ficar engessada.  :D

domingo, 1 de junho de 2014

Site Advanced Style e a idade

Já falei aqui sobre o site Advanced Style (vale a pena reler!), acho-o fantástico focando no estilo da terceira idade.
Como ele escolhe suas modelos? Pelo corpinho magro mantido desde a juventude? NÃO. Escolhe pelo ESTILO que essas senhoras de NYC criaram para si, pela elegância e pela extravagância com que elas se permitem vestir.




Definitivamente o site Chic prestou um DESSERVIÇO para todas as entas ao publicar que as mulheres, para envelhecerem com uma figura leve e jovem, não devem perder a linha (traduzindo: devem se manter magérrimas a vida toda). Leia aqui.
Por isso eu adoro o fotógrafo Ari Seth Cohen: ele vê beleza no diferente, não no esteriotipado.

Ari e suas principais modelos <3

Não é muito melhor?
É isso que eu almejo para mim: no futuro ter elegância e -- porque não?, -- excentricidade. Afinal, na terceira idade não temos que provar mais nada a ninguém e podemos seguir nossa própria cabeça e nossa própria vontade ao vestir e ao conduzir a vida. Liberdade. Lindo!
Ari Seth Cohen