domingo, 31 de agosto de 2014

NYC, Hotel e Grand Central Station

Quando falo em visitar NY, ou NYC, estou sempre me referindo somente à Ilha de Manhattan, o centro comercial e turístico mais importante da cidade de New York.
A viagem requer disposição para quase 10 horas de voo, muitas reservas econômicas e algum planejamento, e vale completamente qualquer inconveniente que se tenha até chegar lá.

NY: sua localização no mundo

Ilha de Manhattan, NYC, vista aérea


Esta foi a terceira vez que fiquei no Hotel Grand Hyatt de NYC. Escolhi inicialmente esse hotel pela classificação 4 estrelas e pela localização: Midtown Manhattan. Essa é a área central da Ilha de Manhattan, entre a 14nd Street e o sul do Central Park.
Abaixo da 14nd é a área conhecida como Downtown e a partir e acima do Central Park é Uptown.

Qualquer área escolhida é interessante e tem suas particularidades. Como eu gosto do agito da Fifth Avenue em sua parte mais comercial, Midtown é perfeita.

O melhor do Hyatt é que fica ao lado da Grand Central Station, um edifício lindo sem precedentes e que dá acesso a trens e metrô, o que faz com que estejamos facilmente conectados a qualquer outro ponto da ilha.

Vista geral do saguão central da Grand Central Station.
 O icônico teto.

Hyatt, 109 East 42nd Street, a duas quadras da Fifty Avenue,
entre a Grand Central Station e o Chrysler Building.

 
Escultura do Saguão do Hyatt.

Com essa localização e todas as conveniências existentes na GCS (mercado, praça de alimentação, farmácia, Starbucks, revistaria, etc.), a viagem flui muito bem.
#recomendo

sábado, 30 de agosto de 2014

NYC, Doctor Who

Os últimos 15 dias passei em New York - Manhattan. Percebi que NYC é uma Disney World para mim. Eu amo tudo daquela cidade: a beleza art déco dos prédios monumentais, as ruas repletas de táxis amarelos, o fato de haver um Starbucks em cada quarteirão, as lojas gigantes, os preços melhores que aqui, os museus, a civilidade...

Chrysler Building - o mais lindo exemplo art déco, na minha opinião, 
e a um quarteirão do meu hotel habitual, o Grand Hyatt.
(foto com meu iphone)

Mas este post é para falar de outra coisa também: assisti ao primeiro capítulo da estreia, mega aguardada, do 12° Doctor da série Doctor Who. A BBC transmitiu-o dia 23 às 20h00 e tive a sorte de estar nos EUA, pois passou ao mesmo tempo que na BBC de Londres e assisti praticamente "ao vivo". 

Ainda não sei como será o Doctor de Peter Capaldi, todos dizem que a ideia é que seja mais alienígena que os últimos três. O que posso dizer é que gostei do ator, é convincente, intrigante.

O melhor de tudo é que por conta dessa estreia a Barnes & Noble, livraria que tem uma das suas filiais na 555 Fifth Avenue (próximo à 45nd Street), fez uma venda de produtos relacionados à série e eu consegui uma Tardis liiiiinda e uma camiseta enorme que vou mandar emoldurar somente a estampa.



Estar em um país onde tudo acontece em tempo real é simplesmente maravilhoso. Eu amo NY!
Logo contarei mais, muito mais.

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Cris Barros verão 2015

A coleção de primavera verão 2015 da grife Cris Barros está espetacular. Batizada de "Saudades", é descrita como remetendo "aos nostálgicos verões da estilista durante sua infância no Rio. Assimetria, fluidez, tons claros e listras ganham destaque". 

O vestido que abre a coleção é simplesmente uma obra prima:

Os recortes, as sobreposições  e as listras perfeitamente ajustadas e simétricas: LINDO!

Neste, além da combinação de cores diferente e inspirada, o detalhe nas costas é puro verão.

 As listras estão fortes e aparecem em todo tipo de peça.

 Este blazer de listras grandes sobre vestido de listrinhas é só amor!

 As bolinhas também ganharam destaque, bem inspiradas em dois tons.

Fiquei bem tentada a ir conhecer suas criações em uma loja. Só estou com receio que os preços sejam do tipo "impraticáveis", pois as poucas peças que estão disponíveis online (no e-commerce e-closet) têm um custo nada razoável:


Se você estiver com o cofrinho recheado e quiser algo lindo para o verão, considere esta grife. [Veja mais modelos no site Cris Barros].

sexta-feira, 22 de agosto de 2014

Estampas fora do comum

O universo das estampas é praticamente infinito, tudo pode ser criado e reproduzido em tecido.
No entanto, o habitual é encontrarmos estampas xadrez, pied de poule ou pied de coq, de bolinhas, florais, folhagens, listras, zig zag, geométricas, corações, abstratas e, claro, o animal print, que já é praticamente um neutro da moda.
A Isolda inovou nesse quesito, trazendo muitas frutas e até fauna marinha como polvo e caranguejos às estampas, e fez um enorme sucesso com isso.

Os exemplos que escolhi abaixo são bem diferentes, nunca tinha visto igual (fotos site Farfetch):

 Chaves douradas de Dolce e Gabbana

 Grafismo branco e preto, vestido Carven

 Revólveres em vestido Saint Laurent
(não gosto do tema, porém, não se pode negar que é original)

 Galos e galinhas, de Rochas
Amei este!!!

Não é bom sair da mesmice? Quais vocês usariam? Eu, com certeza escolheria as chaves (o vestido ficou super clássico) e os galos -- que ideia diferente, e como ficou bonito, não é? Bela criatividade.


P.S. de Setembro14
Em NY, na Barneys, encontrei uma camisa Saint Laurent com a estampa de revólveres citada acima. Caríssima, muito bem feita, porém continuou não me agradando. No vestido ainda está mais bonito que na camisa, que não tem nenhum detalhe diferente para quebrar a estampa.


 Também vi uma blusa com as chaves de Dolce e Gabbana. Esta sim, linda! Pena que perdi a foto...

quarta-feira, 20 de agosto de 2014

Alpargatas Chanel -- ops! JohnJohn

Esta foto de publicidade da alpargatas da JohnJohn me remeteu imediatamente à original da Chanel, que lançou esse modelo há algumas temporadas.


Talvez ocorra que não haja muito o que inovar em um sapato tão simplificado, daí a semelhança ser grande.



À favor da JohnJohn está o fato que eles preferiram fazer o bico em cor mais clara e material impermeável (a Chanel também tem opções com a biqueira clara, mas são poucas) e colocar seu Logo bem destacado. É parecida mas não é literal -- e isso é super importante em uma inspired.

Alpargatas são peças que têm carinha de artesanais, em tecido, com acabamento de corda ou assemelhado. Ou seja, não é um sapato para dias de chuva, para um passeio campestre, para "bater" no dia a dia.
Devido a essa característica de baixa durabilidade, acho que a compra de uma opção de produto made in Brazil, mais em conta, vale mais a pena do que gastar $$$ com a original Chanel.

Bem diferente desse modelo, porém ainda alpargata, tenho uma todinha de renda preta, que uso pouco: não vai bem com tudo, é extremamente esportiva. Hoje, não compraria novamente, acho que esse modelo não tem muito a ver com as entas. Mas se você quiser tentar uma, não custa experimentar essa JohnJohn, que está bem bonitinha.

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Huis Clos primavera-verão 2014/15

Sempre admirei a Huis Clos, desde o tempo que não podia consumir seus produtos até hoje, quando não me sinto magra e elegante o suficiente para adquiri-los.

Apesar da triste perda de sua fundadora, Clotilde Orozco, foi um alento ver que a marca não morreu com ela e está sendo trabalhada nos mesmos moldes originais:
"Com a proposta de vestir uma mulher contemporânea, mas ao mesmo tempo conceitual e independente de modismos, a Huis Clos é caracterizada pelos recortes arquitetônicos e sutis que constroem uma silhueta diferenciada, jovem e moderna."

Suas peças são clean, limpas, bem montadas e de qualidade. Para se ter no armário para sempre.
Aqui as fotos desta coleção 14-15, que vi no site da Lilian Pacce.



#desejandomuito

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Animale e sua nova fase

A Animale troca de estilista e o contratado é Vitorino Campos, baiano talentosíssimo que tem (e vai manter) sua própria marca.
Além disso, abriram uma loja conceito na Rua Oscar Freire, endereço chique de SP, e estão trabalhando visando expansão internacional. Grandes planos!

 Flag store inaugurada

Neste ano de 2014 notei uma mudança brusca na Animale: era uma loja onde eu comprava muitas peças e nesta última coleção isso passou a ser impossível devido aos amplos decotes, recortes desabados nas costas, transparências ou micro comprimentos.

Estilista: Priscilla Darolt para Animale

Espero que haja interesse da direção para manter em linha peças clássicas com a interessância característica da marca, de forma que nós, entas, possamos continuar consumindo a grife. Da forma como está hoje, apenas as mais jovens podem usar suas roupas.

Estilista: Vitorino Campos, para sua própria grife

Como Vitorino Campos tem um histórico de desfilar peças transparentes, não sei se poderemos manter a esperança.
A primeira coleção Animale by Vitorino Campos será apresentada na SPFW, em novembro deste ano, e será referente ao Inverno 2015. É esperar para ver...

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Regatinha básica: R$591

"Descrição: Com uma coleção inspirada nas herdeiras do Rock, a regatinha básica aparece com nó frontal para dar todo charme ao look".

É dessa forma que está apresentada no site e-closet uma regata com um nozinho.
Vi no Twitter, que destacou foto e valor da peça. E o custo me espantou TANTO que tive que escrever sobre ela aqui.


Com uma foto linda, que nos chama a atenção, a regata apresentada como "T-shirt da nova coleção da Talie NK" tem o preço fixado em R$591.

No site não há sequer a composição da peça. Será algodão? Será sintético? Será de ouro?


De qualquer forma, NADA justifica esse valor para uma regata.
Você sabe qual o salário mínimo atual em SP? É de R$724.


Ou seja, a regatinha de composição desconhecida custa mais de 80% de um salário mínimo.


Moda é algo subjetivo em grande parte das vezes: uma peça pode ter um valor enorme para uma pessoa mais colecionadora enquanto alguém mais dia a dia pode não mostrar interesse algum na mesma.
Mas quando chegamos ao ponto de uma regata custar essa fortuna, alguma coisa está muito errado na  economia, nas confecções e inclusive na nossa sociedade que aceita -- e compra -- essa afronta.

#nãotemcabimento

segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Borboletas e a Moda

Com uma beleza aliada à delicadeza que não se vê em outros insetos, a moda parece que elegeu a borboleta como tema recorrente: anda 100% focada nelas.

Esta clutch Alexander McQueen é simplesmente fantástica!!!
Clutchs assim pequenas, para mim, não servem para nada pois é raríssimo usá-las. 
Mesmo assim, esta está me balançando, como um item de colecionador, para ficar em exposição.

Já a sandália McQueen Monarca é conceitual demais, até para meu gosto. :)

Esta flat é de criação de Sophia Webster, uma designer que se inspira muito nesse inseto. 
Nos pés achei meio estranho, não ficou?
Já pensou andar assim, batendo asas?

Esta sandália diferentíssima também é Sophia Webster
   
Em compensação, achei esta aqui linda nos pés.


Assim como esta...

 ...e estas. Lindinhas. Todas Sophia Webster.


A poderosíssima é Sergio Rossi. 
(Só não gosto do corpo do inseto tão destacado...)

Para fazer um contraponto aos saltos altíssimos, uma rasteirinha.
Susan Mango, rasteira Monarca.

 
 E, claro, Valentino, que fez toda uma coleção baseada nas butterflies.

Portanto, vamos ficar com o olhar atento: se acharmos algo borboleteando por aí em estampa, desenho ou formato, vale a pena a compra pois está super in.

sábado, 9 de agosto de 2014

Paula Cademartori petite 'Faye' tote

Faz muito tempo que estou namorando as criações da Paula Cademartori, uma brasileira de Porto Alegre estabelecida em Milão, na Itália, e que produz bolsas muito, muito inspiradas.

Suas bags não ostentam seu nome ou logo, como é comum hoje em dia, mas são facilmente reconhecíveis pelo formato da fivela em paládio, sempre feita com especial esmero, variando as cores conforme os tons das bolsas.


Sempre o mesmo tamanho de fivela, não importa o tamanho da bolsa.


Atualmente só há uma loja física no Brasil que revenda Paula Cademartori, a multimarcas Maison Ana Paula, em Brasília. Logo, se quisermos uma bolsa da designer, temos que comprar na Europa, nos EUA ou pedir no e-commerce Farfetch.

Inspirada pelo sale que o site estava fazendo, fechei a compra de uma "Petite Faye tote" branca, preta e caramelo.
Porém, foi uma experiência de compra online que não saiu exatamente como eu esperava. Sim, eu busquei uma tote, não queria uma bolsinha minúscula. Mas o nome Petite Faye definitivamente me enganou.


As fotos não me prepararam para a bolsa que recebi. Gente, ela é IMENSA de larga. Tem QUATRO compartimentos, os dois centrais são abertos e os laterais têm o couro que dobra para fazer o fechamento. Deve caber o mundo ali dentro!
O problema é que, esteticamente falando, ela fica desajeitada. Saí com ela e meu marido me perguntou, incrédulo, se eu estava carregando duas bolsas. É desse nível o problema.

Não dá para ver isso pela foto do site. Nem considero isso uma propaganda mal intencionada, somente que faltou uma foto como esta, que tirei em casa, mostrando a real largura da danada:

São 15 cm de base (até aí, ok),
 chega a 18 cm na parte em que a aba frontal se mantém destacada da bolsa,
e 13 cm em cima: são estes volumes médio e superior que matam a bolsa na prática.
~ Carregando um tijolo ~

Gostei das cores, a combinação é curinga, mas acredito que vou usá-la muito pouco por conta desse tamanho exagerado.

Só ontem achei esta foto no tumblr da Paula Cademartori.

Se eu soubesse que esta era a Petite, teria escolhido outra!

Estas duas são do mesmo modelo, mas têm um tamanho bem mais apropriado:
 


Compras online, sempre uma caixinha de surpresas...   :(