sábado, 31 de janeiro de 2015

Livros de janeiro: Cadê você, Bernadette? / Quando Cair o Verão e outras histórias

Cadê Você Bernadette?
Com uma capa simpática, título intrigante e ótimas críticas, mergulhei no livro esperando algo muito bom.


Pena, mas não é bom. Gente, é um livrinho de "estória", bem inverossímil.
Fácil de ler, ora narrado pela menina de 15 anos, ora por um narrador onisciente. Conta a história de uma família de pai, mãe e filha que moram em Seattle, focando na situação atual dos mesmos quanto à escola da Bee (menina), a viagem de prêmio que ela planeja fazer para a Antártida, as idiossincrasias de Bernadette, mãe de difícil convivência fora da família e que detesta tudo e todos na cidade em que atualmente mora.

Quando Bernadette desaparece, Bee sai em busca de documentos e relatos que expliquem o que aconteceu com a mãe e onde ela possa estar.
Até aí até que vai razoável. O duro mesmo é o total absurdo de onde Bernadette está e como eles chegam até ela.
Fechei o livro com aquela sensação de leitura de livro infantil, onde as coisas se resolvem magicamente e a lógica não faz parte das premissas.


Quando Cair o Verão e Outras Histórias
Este é mais um livro do universo Doctor Who. A obra reúne três contos: Quando cair o verão, de Amelia Williams; O Beijo do Anjo, de Melody Malone; e O Demônio na fumaça, narrado pelo Sr. Justin Richards.


São histórias focadas em viagens no tempo, objetos mágicos e com personagens dos filmes do Doctor.
Eu gostei! <3<3 <3
Porém fica o alerta: Whovians* irão gostar muito -- leitores comuns talvez não entendam as referências, mas mesmo assim as histórias valem a pena.

*Whovians = nome dado para os fãs da série Doctor Who; uma palavra reconhecida pelo dicionário de Oxford.

quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Anel McQueen

Depois de mais de ano querendo um anel de caveira do Alexander McQueen e nunca encontrando um que eu gostasse e que tivesse um custo razoável, acabei aproveitando uma liquidação da Farfetch com um bônus extra de 20% de desconto e comprei um.

Vou lhes dizer: é uma peça linda, detalhadíssima, porém é um anel difícil de usar por ser muito grande e pesado.

 Escolhi este, cheio de insetos e com olhos de cristal vermelho.

Ai, é lindo!!!

A descrição da nota é "skull cocktail ring" e o tamanho é 13.

Muito difícil comprar anel online: aqui no Brasil o tamanho 13 é considerado bem pequeno, nesse dedo costumo usar nossa medida 15. E esse 13 inglês ficou até um pouco folgado. Dá para usar, mas não ficou justééénho como deveria.

Das minhas compras feitas em janeiro só falta chegar um mocassim. E espero que em fevereiro eu me controle melhor e não compre mais nada. Um mês de respiro para alguém que já tem tudo.  :)

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Os blogueiros noruegueses no Camboja

Se você acompanha alguma notícia de moda com certeza já leu esse título esta semana: Sweatshop - Dead Cheap Fashion.
*Sweatshop: trabalho que explora seus operários; estabelecimento com condições desumanas de trabalho.

O programa foi produzido pelo site do maior jornal da Noruega, o Aftenposten, que levou três jovens fashionistas à capital cambojana Phnom Penh.
São somente cinco pequenos vídeos (10 minutos cada, aproximadamente) que valem a pena ser vistos.


As duas moças e um rapaz participaram de uma imersão na triste realidade dos trabalhadores da indústria têxtil do Camboja, conhecida por explorar ao máximo seus recursos humanos em condições precárias e baixos salários.

Imagine você estes jovens, abaixo de 18 anos, que sempre viveram em um país de primeiro mundo, sendo transportados para a condição infame de uma realidade de trabalho semi-escravo.

No primeiro vídeo ficou claro que eles à princípio racionalizaram as emoções e o choque cultural dando "explicações" banais para a diferença social como "eles [os trabalhadores] sempre viveram assim, não estão incomodados porque não conhecem outra realidade", etc.

Porém, com o passar do tempo, com o maior envolvimento com as pessoas do local e a experiência de trabalho em uma fábrica, todos se comoveram e perceberam que aquilo não é vida, que é um verdadeiro absurdo o que a indústria de moda está fazendo com esse país.

A jornada de trabalho é de 12 a 13 horas por dia, de segunda a sexta-feira, e aos sábados a jornada é "só" de 8 horas.
O trabalho é repetitivo ao extremo. Uma costureira contou que passou 14 anos costurando diariamente apenas ombros de suéter -- quatorze ANOS fazendo todos os dias exatamente a mesma coisa!!!
Os galpões não têm ventilação adequada, faltam ventiladores, as cadeiras são extremamente desconfortáveis e a pressão por produção é enorme.
Ao final desse dia estafante o trabalhador ganhou o equivalente a US$3.

Na casa de uma trabalhadora têxtil de 25 anos, Sokty, eles descobrem como é realmente a vida dessas pessoas: a casa é minúscula ('Nosso banheiro é maior que toda a casa dela'), praticamente sem mobiliário, a área em que ela cozinha é quase dentro do banheiro...

Os casos relatados são de cortar o coração.
- Sokty é levada até a loja Mango onde vê peças que ela mesma costura com um preço que ela não poderia nunca comprar.
- Com US$3 por dia, o supermercado da cidade se mostra uma opção impossível para compra de alimentos, que têm que ser adquiridos em uma feira livre em local sujo, empoeirado, precário.
- Uma moça de 19 anos conta como perdeu a mãe ainda bebê: a família só tinha arroz para comer e a mãe, que ainda a amamentava, morreu de fome.
- Os relatos são de que as condições de trabalhos estão ficando cada vez piores, com o passar dos anos.
- Eles crescem com esperança de estudar e melhorar de vida, porém são empurrados para essa indústria porque não há outra opção.


- Os trabalhadores estão pleiteando um salário de US$160/mês para poderem sobreviver, pois estão todos passando fome.


Que tipo de vida é esse?

Moral da história: a indústria têxtil está escravizando pessoas para que o custo de uma camiseta na Europa seja 10 Euros. Ou, aqui no Brasil, seja R$15. 


Não podemos ser coniventes com isso! Não quero fazer parte dessa atrocidade contra seres humanos. Vamos pagar preços justos, vamos boicotar empresas que vendem produtos têxteis cambojanos (e chineses!). É o mínimo que devemos fazer após assistir a esses vídeos.



 Com essas variações de custo x preço, a indústria deveria tratar bem seus funcionários!


"Eu imploro à você que compra roupas cambojanas: Ajude-nos, estamos sofrendo!"

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Livro: Vista Quem Você É

O livro das consultoras da Oficina de Estilo estava na minha estante há algum tempo, porém eu não conseguia deslanchar a leitura. Pois ontem à noite recomecei-o e hoje terminei de ler -- e adorei!


Tem muita dica prática, tem exercícios (acho que foi aqui que eu empaquei da outra vez) e bate muito na tecla de que você não precisa ter um guarda-roupas enorme e cheio de peças: vale mais um armário bem coordenado do que excesso de roupas.

Isso foi repetido muito e muito e para mim essa noção veio em boa hora. Tenho comprado mais do que posso usar, muito mais do que seria razoável. Eu vejo uma roupa bonita, meus olhos brilham e quando vi ela já está na sacola. Porém, não parei para pensar se ela se adapta ao meu estilo de vida, se combina com outras roupas que eu tenho, se vai realmente sair do armário para a vida ou vai só ficar lá tomando espaço e pó.

Arrumei hoje minhas gavetas de malhas e camisetas e havia umas 5 peças ainda com as etiquetas das lojas, de compras que nem lembro quando fiz. Hora de colocar o mote da Oficina em ação:

"substitua consumo por autoestima"

Essa época de liquidações também não tem ajudado. Tanta coisa linda por preços melhores, difícil resistir. Mas assim que chegar o que já está encomendado e o que está no conserto, vou realmente me empenhar para usar o que tenho e parar de comprar.  #desafio

Voltando ao livro, recomendo-o MUITO. De fácil leitura, com explicações simples, você o termina pensando realmente em coordenar seu guarda-roupas e seguir seu estilo próprio. Só isso, o quanto não vale? Adorei.

E não é?

domingo, 25 de janeiro de 2015

Anéis dedo e falange Velö

Estava há um tempo namorando um conjunto de anéis da Velö, bem trabalhados, um para usar na posição normal e outro para a segunda falange.

Esta semana o site da marca entrou em liqui e comprei os dois. Olha só: mandaram um portador trazer o pacote em minha casa, de um dia para o outro. #rapidez

Embalagem fofa.

Vieram em saquinho de feltro e com garantia.

 
Já estou usando direto!


Eles são de prata e bem grossinhos, não é aquela lâmina fina de metal, muito comum para esse tipo de anéis.
Na parte de trás eles são abertos, ou seja, dá para fazer um pequeno ajuste de tamanho. 

Comprei o Médio e o Pequeno, e deu super certo. 
Não são lindos?

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Isolda: venda especial via Farfetch

A Farfetch, e-commerce fantástico que tem de tudo, seja produto nacional ou importado, me convidou para um evento exclusivo da marca Isolda. Achei a oportunidade perfeita para efetivamente provar as peças e tentar conseguir algo do meu tamanho, coisa bastante difícil nessa grife (como eu já tinha colocado neste post aqui).


Cheguei ao local e era uma casa pequena mas com as paredes lotadas de araras das peças estampadas típicas da Isolda. Já amei tudo, logo de cara!  #animada

A casa estava toda enfeitada com arranjos de antúrios, lindos!

As peças eram todas das coleções passadas, não tinha nada da coleção que irá entrar agora. 
Sinceramente, melhor assim. Eu simpatizo muito mais com as estampas antigas do que com as novas.

 Blusas, camisetas, saias, em muitas cores...

Biquínis, saídas e pareôs...

Vestidos longos.
Detalhe do vestido longo de rosas e babados:
Detalhe do vestido mídi com duas estampas:
Já este era uma saia na altura dos joelhos e babado:

 As salas estavam enfeitadas com quadros com as estampas Isolda.

E... eu consegui!!!! Apesar do estoque deles estar pequeno, consegui provar várias peças que me serviram, incluindo aí saias e camisetas. Mas a que mais AMEI foi este vestido -- aliás, saí de lá já com ele (e meu antigo na sacola).  :)

Relevem o ar de cansaço. 
Já viu mulher em meio às araras de roupas-desejo, não viu? Pois é, essa busca cansa...

Vestido lindo, branco preto e com detalhes da estampa de limões. Eu adorei. <3

E a outra compra foi uma blusa de mangas 3/4, estampa de pimentinhas. Só que está tão amassada que não deu foto. Quem sabe depois?

PS: é esta aqui:

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Valentino arco-íris?

Já falei aqui da minha Agenda 2015 toda inspirada em Moda. E esta semana a foto em destaque é esta:


Acho que a identificação com a atual campanha Valentino arco-íris é imediata, não é? Olhem a semelhança:


E então, a foto é Valentino 2014?
Não: Segundo informação da agenda, que é uma publicação super séria do The Costume Institute (do Metropolitan Museum of Art), a criação é de JL Arbiter e o ano seria 1960-61.

Incrível, não é? Uma coleção que consideramos super moderna e ousada acabou sendo uma releitura de uma obra com mais de 50 anos!

Adorei ter descoberto isso! :D

domingo, 18 de janeiro de 2015

Dark floral perfeito

Às vezes uma imagem simples parece que traduz toda um ideia. É o que senti olhando esta saia: para mim, ela é puro Verão.

É da marca Milly e tem um monte de coisas lindas na página da Saks, veja aqui.
E o logo da marca é bem bonito também, com um perfume déco:


Tenho gostado muito das estampas floridas e bem coloridas sobre fundo preto. Isso faz com que elas percam um pouco a delicadeza e fiquem menos "menininha". E, neste caso, quanto maior a estampa, melhor.

Ainda não achei uma tão perfeita quanto a acima e, pelo jeito, está mesmo difícil de encontrar. Até a Paula Martins no antigo blog lookdodia postou um vestido dark floral que foi comprado na... Saks.

Detalhe

Se eu encontrar o floral perfeito por aqui, atualizarei o post com a referência. Por enquanto, só babando...
É uma pena não termos um magazine como a Saks aqui no Brasil. É ótimo você ter acesso a muitas marcas em um só lugar, facilita demais a se encontrar o que quer, a se fazer compras. Enfim...

quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

This Girl Can

Amei esta campanha da Sport England, organização ligada do Ministério da Cultura, Entretenimento e Esporte do Reino Unido.
Ela mostra mulheres e garotas reais fazendo esportes: corrida, natação, boxe, dança. Todas empenhadas no processo, no resultado e no aproveitamento daquela hora, e não em exibir plástica perfeita ou a última roupa fitness da moda.

Quantas vezes a gente não deixou de ir à Academia por não estar no "padrão" dos demais frequentadores, que parecem que estão lá só para se olharem nos espelhos e desfilar o corpitcho?


O vídeo abaixo mostra que, independente do nosso tipo físico, podemos aproveitar integralmente o esporte!
Deveria ser óbvio isso, mas não é. Principalmente num país como o nosso, que dá tanto valor à estética e ao corpo dito "perfeito".

Assistam ao vídeo clicando neste link.
É curtinho, com música animada e dá até vontade de fazer algum esporte, só de vê-lo.

Post especial para quem colocou na lista de resoluções de Ano Novo: "Começar a fazer ginástica".

[Vantagem extra: sua mensagem é bem ao contrário dos "Projeto Fulana" que tanto temos visto na internet ultimamente, onde o foco é emagrecer e ficar "sarada". Coisa mais boring...].   :D